quinta-feira, 15 de julho de 2010

“Ah tristeza,
você está mais solitário do que eu.
Quer o meu aconchego,
tenho percebido isso,
tal a sua presença constante
em mim.
Como poderia
um solitário consolar um triste?
Controverso,
incompatível,
descredibilizada relação,
desabilitada pela razão.
Ah vida medíocre e insólita,
mentirosa em suas promessas.
Os seres são iludidos pela conversa fiada que é proferida
por idiotas que trabalham a seu favor.
Quem te disse que podes afirmar por aí
que é fácil viver?
Nunca saberias!
Miserável!
Infame!
Louca!
Burra!
Coxa.”

(Alan Silva)

2 comentários:

nas entrelínguas disse...

Viver? Tão árduo quanto seria escrever!
...Pensando bem, acho que é a mesma coisa...se não é, finge ser! Desconfio às vezes que, ou escrevemos à nossa vida, ou vivemos as páginas escritas por outrem... Prefiro permanecer desconfiando!

Dija Darkdija disse...

Interessante essa visão aí da tristeza. A triste é mais triste que nós, mas não mais solitária, pois se faz de companhia.